A Revolução Não Será Televisionada ~ Gil Scott-Heron

Gil Scott-Heron (1 de abril de 1949 — 27 de Maio de 2011) foi um músico e poeta negro, conhecido por suas atuações de poesia cantada e falada misturando ritmos como Jazz, Funk e Soul, relacionadas com os ativistas militantes afro-americanos. Mais conhecido pelo seu poema/canção “The Revolution Will Not Be Televised” (A Revolução Não Será Televisionada), Scott-Heron tem sido chamado de “inventor do rap”, na qual ele alegadamente nega, dizendo que “a música já estava lá, a poesia já estava lá, eu só as coloquei juntas”. Depois dos problemas de drogas e prisão, e quase 40 anos depois de “A Revolução Não Será Televisionada”, Scott-Heron lança um novo álbum em 2010, muito aclamado pela crítica. Ouça uma compilação de músicas de Scott-Heron no Youtube. Visite o website oficial.

A Revolução Não Será Televisionada *

TV Head, by Jason P. Dohert

Você não será capaz de ficar em casa, irmão.
Você não será capaz de se conectar, se ligar e se entregar.
Você não será capaz de se afundar em heroína e cadenciar,
Cadenciar sua cervejinha durante os comerciais,
Porque a revolução não será televisionada.

A revolução não será televisionada.
A revolução não será patrocinada pela Xerox
Em 4 partes sem intervalos comerciais.
A revolução não vai mostrar fotos de Nixon
tocando corneta e puxando o vagão, seguido por John
Mitchell, General Abrams e Spiro Agnew para comerem
buchada de porco confiscada de algum santuário no Harlem.
A revolução não será televisionada.

A revolução não será trazida a você pelo
Schaefer Award Theater, e não estrelará Natalie Woods
e Steve McQueen ou Bullwinkle e Julia.
A revolução não deixará sua boca mais sexy.
A revolução não dará um “tchan-tchan-tchan-tchan” à sua cara.
A revolução não fará você parecer 3 kilos mais magro,
porque a revolução não será televisionada, irmão.

Não haverão fotos suas com Willie May
empurrando como loucos o carrinho de compras quarteirão abaixo,
ou tentando enfiar aquela TV a cores numa ambulância roubada.
A NBC não poderá adivinhar o vencedor às 8:32
ou transmitir à partir dos 29 distritos.
A revolução não será televisionada.

Não haverá fotos de porcos abatendo
irmãos no tira-teima.
Não haverá fotos de porcos abatendo
irmãos no tira-teima.
Não haverá fotos de Whitney Young
com um processo novinho em folha deixando o Harlem num trem.
Não haverá câmera-lenta ou natureza morta de Roy
Wilkens passeando pelo Watts vestindo vermelho, preto e verde
o macacão da libertação que ele vinha guardando
para uma ocasião especial.

Green Acres, The Beverly Hillbillies, e Hooterville
Junction não serão mais tão maleficamente importantes, e
as mulheres não mais se importarão se Dick finalmente fica com
Jane em A Busca do Amanhã, porque os Negros
estarão nas ruas à procura de dias melhores.
A revolução não será televisionada.

Não haverão destaques no noticiário
das onze horas, nem fotos de mulheres liberacionistas,
peludas e armadas, ou Jackie Onassis assoando o nariz.
A canção tema não será escrita por Jim Webb,
Francis Scott Key, nem cantada por Glen Campbell, Tom
Jones, Johnny Cash, Humperdink Englebert, ou os Rare Earth.
A revolução não será televisionada.

A revolução não vai estar de volta após uma breve mensagem
dos patrocinadores, o furacão branco, luzes brancas ou gente branca.
Você não terá que se preocupar com uma pomba em seu
quarto, um tigre em seu tanque, ou um gigante em sua privada.
A revolução não vai melhor com Coca-Cola.
A revolução não vai combater os germes do mau hálito.
A revolução tampouco vai colocá-lo no ascento do motorista.

A revolução não será televisionada, não será televisionada,
não será televisionada, não será televisionada.
A revolução não será re-executada, irmãos;
A revolução será ao vivo.

The Revolution Will Not Be Televised

You will not be able to stay home, brother.
You will not be able to plug in, turn on and cop out.
You will not be able to lose yourself on skag and skip,
Skip out for beer during commercials,
Because the revolution will not be televised.

The revolution will not be televised.
The revolution will not be brought to you by Xerox
In 4 parts without commercial interruptions.
The revolution will not show you pictures of Nixon
blowing a bugle and leading a charge by John
Mitchell, General Abrams and Spiro Agnew to eat
hog maws confiscated from a Harlem sanctuary.
The revolution will not be televised.

The revolution will not be brought to you by the
Schaefer Award Theatre and will not star Natalie
Woods and Steve McQueen or Bullwinkle and Julia.
The revolution will not give your mouth sex appeal.
The revolution will not get rid of the nubs.
The revolution will not make you look five pounds
thinner, because the revolution will not be televised, Brother.

There will be no pictures of you and Willie May
pushing that shopping cart down the block on the dead run,
or trying to slide that color television into a stolen ambulance.
NBC will not be able predict the winner at 8:32
or report from 29 districts.
The revolution will not be televised.

There will be no pictures of pigs shooting down
brothers in the instant replay.
There will be no pictures of pigs shooting down
brothers in the instant replay.
There will be no pictures of Whitney Young being
run out of Harlem on a rail with a brand new process.
There will be no slow motion or still life of Roy
Wilkens strolling through Watts in a Red, Black and
Green liberation jumpsuit that he had been saving
For just the proper occasion.

Green Acres, The Beverly Hillbillies, and Hooterville
Junction will no longer be so damned relevant, and
women will not care if Dick finally gets down with
Jane on Search for Tomorrow because Black people
will be in the street looking for a brighter day.
The revolution will not be televised.

There will be no highlights on the eleven o’clock
news and no pictures of hairy armed women
liberationists and Jackie Onassis blowing her nose.
The theme song will not be written by Jim Webb,
Francis Scott Key, nor sung by Glen Campbell, Tom
Jones, Johnny Cash, Englebert Humperdink, or the Rare Earth.
The revolution will not be televised.

The revolution will not be right back after a message
about a white tornado, white lightning, or white people.
You will not have to worry about a dove in your
bedroom, a tiger in your tank, or the giant in your toilet bowl.
The revolution will not go better with Coke.
The revolution will not fight the germs that may cause bad breath.
The revolution will put you in the driver’s seat.

The revolution will not be televised, will not be televised,
will not be televised, will not be televised.
The revolution will be no re-run brothers;
The revolution will be live.


(*) O poema faz várias referências sócio-politico-culturais de época. Cito algumas:
  • John N. Mitchell, Procurador-Geral dos Estados Unidos na gestão Nixon
  • General Creighton Abrams, um dos comandantes das operações militares no sudeste asiático durante a Gerra do Vietnam
  • Mendel Rivers, presidente do Comitê das Forças Armadas durante o período da Guerra do Vietnam
  • Spiro Agnew, 39o vice-presidente dos EUA sob Nixon
  • Schaefer Award Theater, show de radio apresentado por Dick Clark
  • Bullwinkle, personagem de estória em quadrinhos
  • Julia, comédia de costumes estrelando Diahann Carroll, que era visto por muitos como um retrato paternalista das relações raciais da época.
  • “Give your mouth sex appeal” (Dê à sua boca um ar sexy), foi uma chamada publicitária do creme dental Ultra Brite
  • “The revolution will not get rid of the nubs”, propaganda da Gillette, similar à propaganda brasileira da prestobarba “A primeira faz tchan, a segunda faz tchun, e… tchan-tchan-tchan-tchan”
  • “NBC will not be able to predict the winner at 8:32”, uma referência à rede de televisão que “previu” o resultado das eleições pouco depois de seu encerramento, às 8:00
  • Watts, bairro de Los Angeles, onde ocorreu um tumulto em 1965, conhecido como Watts Riots
  • Green Acres, comédia de costumes
  • The Beverly Hillbillies, comédia de costumes
  • “Hooterville Junction”, confluência fictícia das comédias de costumes Green Acres e Petticoat Junction
  • Dick and Jane, crianças brancas, irmão e irmã, personagens de cartilhas escolares americanas da época
  • Search for Tomorrow, uma novela televisiva muito popular na época
  • Jim Webb, compositor americano
  • Engelbert Humperdinck, cantor pop britânico
  • “White tornado” (furacão branco), jargão publicitário do desinfetnte Ajax
  • “Dove in your bedroom”, anúncio publicitário do anti-transpirante Dove
  • “Put a tiger in your tank”, referência ao tigre do anúncio publicitário da Esso

Mais referências na Wikipédia (english)

.small {line-height: 120%; font-style:italic; text-align: justify; font-size:78%;}Eduardo Miranda é músico, escritor, poeta, e tradutor. Guitarrista e fundador do grupo WEJAH, atualmente dirige o projeto musical The Virtual Em3, faz parte da banda Wellfish e é parte do Stillwater Project. Publicou Quase (Casa Pyndahýba, poesia, 1998) e as coletâneas Amigos (Casa Pyndahýba, 1994) e Contra Lamúria (Casa Pyndahýba, 1995). Editor-mor da TUDA, dá expediente em alguns blogs por aí, e nas horas vagas é Consultor de Tecnologia da Informação em Dublin.


Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s